segunda-feira, 11 de outubro de 2010

BADEN, TRÊS VEZES ETERNO

Entre 1979 e 1981 o genial violonista e compositor Baden Powell (1937-2000) gravou três LPs para a WEA brasileira em selo Atlantic, que agora são reeditados em CD pela Warner, em trabalho sob coordenação do jornalista, produtor e pesquisador Marcelo Fróes. São eles O Grande Show (1979), Nosso Baden (1980) e De Baden Para Vinícius (1981).

BADEN POWELL - O Grande Show O Grande Show, produzido por Sérgio Cabral, foi gravado ao vivo no Teatro Procópio Ferreira, em São Paulo, nos dias 18 e 19 de agosto de 1979. Acompanhado por Saulo Bezerra de Melo (contrabaixo), Lilian Carmona (bateria), Don Bira e Jorginho Cebion (percussão), Baden Powell canta temas belíssimos como Canto de Ossanha (dele e Vinícius de Moraes), Refém da Solidão (parceria com Paulo César Pinheiro), Tempo Feliz (Baden/Vinícius) e Samba de Benção (também dele e Vinícius), além de apresentar versões instrumentais para, entre outros, Se Todos Fossem Iguais a Você (Tom Jobim/Vinícius de Moraes), Samba Novo (Baden Powell), A Lenda do Abaeté (Dorival Caymmi) e Asa Branca (Luiz Gonzaga/Humberto Teixeira).

BADEN POWELL - Nosso Baden Nosso Baden também foi produzido por Sérgio Cabral. Gravado nos estúdios Vice Versa, em São Paulo, traz Baden Powell cantando temas como Mesa Redonda, Cai Dentro e Até Eu, todos dele e Paulo César Pinheiro, e interpretando ao violão clássicos como Odeon (Ernesto Nazareth) e Abismo de Rosas (Canhoto). A edição em vinil vinha acompanhada de um compacto com o instrumental A Estrela e a Cruz. A gravadora promoveu um concurso para escolher uma letra para a música. Bastava que os interessados enviassem á gravadora uma carta com a letra datilografada. A edição em CD traz como faixa bônus a gravação instrumental.

BADEN POWELL - De Baden Para Vinícius De Baden Para Vinícius, co-produzido por Sérgio Cabral e Kauê em 1981, foi uma homenagem de Baden Powell a Vinícius de Moraes, morto no ano anterior. O violonista cantou emocionado temas que compôs com o Poetinha como Velho Amigo, Samba Em Prelúdio, Tempo Feliz, Apelo, Formosa e Deixa, além de versão instrumental para Serenata do Adeus, de Vinícius. No repertório, também, o samba Feitinha Pro Poeta, de Baden e Lula Freire, gravado originalmente pelo Jongo Trio em 1965. Os três discos tiveram áudio remasterizado. Os encartes vêm com letras e ficha técnica completa, além da reprodução das capas e contra-capas originais. Reedições caprichadas.

www.badenpowell.com.br

2 comentários:

José Henrique disse...

Esse primeiro tá com cara de caprichado, pena ser ao vivo.
Toninho, o som tá legal?
Muits palminhas irritantes? rsrs

Abraço

TONINHO SPESSOTO disse...

Meu Velho, a coisa está bem feita. Com o passar do tempo, o Baden foi ficando cada vez mais perfeccionista.
Quanto às palmas, não há excessos.
Os três discos valem a pena, o trabalho de remasterização está excepcional.

Grande Abraço!