domingo, 18 de novembro de 2007

NA TRADIÇÃO DO CONGADO MINEIRO


SÉRGIO SANTOS
Iô Sô
Biscoito Fino


Em seu novo trabalho, o cantor e compositor mineiro Sérgio Santos propõe um mergulho nas tradições do congado, uma das mais legítimas manifestações culturais de origem africana no Brasil, a partir da influência que o gênero exerceu sobre a música de seu Estado. Sob o ponto de vista de pesquisa antropológica e musical, Sérgio volta a exercer o trabalho iniciado no fenomenal Áfrico, de 2002, considerado obra de referência pela crítica.


O congado povoou a infância de Sérgio Santos. Ao reencontrar essas raízes, o músico mostra reverência e emoção. Autor de todas as faixas, algumas em parceria com o poeta Paulo César Pinheiro, reproduz com perfeição os folguedos nos quais o congado é apresentado, e que ainda hoje são realizados principalmente no interior de Minas Gerais. A construção melódica e harmônica do congado lembra lamentos de escravos. As melodias são pontuadas por violões precisos, e os versos vêm impregnados de religiosodade e cenas cotidianas do homem simples. Entre eles, Marimba, Guia, Carreiro de São Thiago, Toada Cabocla e Congadeiro, os três últimos com letra de Paulo César Pinheiro. Dori Caymmi participa com sua voz majestosa na faixa de abertura, que funciona como uma vinheta. Beleza singela em mais uma obra emocionante de Sérgio Santos.

Site oficial: www.sergiosantos.mus.br

Um comentário:

Lea Freire disse...

Esse moço é um dos maiores compositore do Brasil hoje. Parabéns pela matéria.