domingo, 19 de agosto de 2007

ÍDOLOS 2007 E OUTRAS REFLEXÕES...


Encerrada a segunda edição do reality show Ídolos, chega o momento de refletir. Na minha opinião, a vitória da paranaense Thaeme Mariôto foi incontestável no que diz respeito à disputa com a paulista Shirley Carvalho. O fato é simples: a campeã tem o perfil de um ídolo pop, já a segunda colocada não possui carisma, embora seja boa cantora.

Antes da final, ocorreram alguns 'acidentes de percurso' como a eliminação de Davi Lins, considerada injusta pelo público e por Thomas Roth, Cyz, Arnaldo Saccomani e Carlos Eduardo Miranda, os jurados. Thomas, meu amigo pessoal, chegou a declarar publicamente sua preferência por Davi ao ser entrevistado em 1o. de julho no Vitrola, programa que produzo e apresento ao lado da jornalista Adriana de Rosa na allTV.

Shirley Carvalho vinha de um problema sério na carreira. Vencedora do concurso de calouros do Programa Raul Gil, simplesmente não ganhou o prêmio, que era a gravação de um CD. Chegou ao Ídolos disposta a recomeçar e foi até a final. Mas faltou aquele 'algo mais'. De fato, é uma boa cantora, mas não tem nem de longe o perfil que interessa hoje ao mercado fonográfico. Vale lembrar que os vencedores do reality show co-produzido pelo SBT e Freemantle Media assinam contrato com a major Sony BMG. Foi assim com Leandro Lopes, vencedor da primeira edição em 2006, será assim com Thaeme Mariôto.

Penso que o Ídolos é um programa mais justo que, por exemplo, o Fama, produzido durante três anos pela Globo, que confinava os candidatos numa 'academia' na qual eram treinados para se transformar em cantores prontos para o mercado. Vários artistas que passaram por aquele reality show chegaram a gravar discos, casos de Hugo & Thiago, Cídia & Dan, Wanessa Jackson, João Sabiá, Marcos Vinícius e Fábio Souza. Mas somente duas cantoras conseguiram efetivamente fazer sucesso e se projetar: as potiguares Roberta Sá e Marina Elali.


Roberta Sá seguiu fiel às suas origens, mantendo-se no campo da MPB. Como ela própria me disse em entrevista há duas semanas, o Fama foi apenas um rito de passagem, pouco ou nada lhe acrescentando em termos de possibilidades profissionais. 'Seguiria pelo caminho que estou mesmo sem o programa', afirmou na ocasião. Marina Elali (foto) efetivamente se tornou uma estrela pop, com um disco de sucesso e músicas em novelas e minisséries - Você, de Roberto e Erasmo Carlos, na trilha de América, One Last Cry, releitura de uma canção gravada originalmente por Brian McKnight, em Páginas da Vida e Sabiá, de Luiz Gonzaga e do avô da cantora, Zé Dantas, na minissérie Amazônia. Ela sempre quis ser uma estrela pop, estudou e se preparou para tanto. O CD de Marina chegou a Disco de Ouro. Ela agora está em estúdio preparando o segundo álbum, e já tem nova música em novela - Eu Vou Seguir, versão de Reach, da cubana Gloria Estefan, canção-tema dos Jogos Olímpicos de Atlanta em 1996.

Para mim, o Ídolos permite que os cantores se mostrem como são, e se mantenham fiéis aos gêneros que decidiram abraçar, ao contrário do Fama. Quanto ao Popstars, outra iniciativa do SBT que gerou os finados grupos Rouge e Br'oz, nada a declarar. Era iniciativa com prazo de validade estabelecido. Já o programa de Raul Gil anuncia a volta do concurso Quem Sabe Canta, Quem Não Sabe Dança, o mesmo que há alguns anos revelou cantores como Rinaldo Viana, Érika Rodrigues, Robinson Monteiro, Alexandre Arez, Leila Moreno, Kelly Moore, Liriel Domiciano e André Leono. Todos gravaram discos e conseguiram bons índices de vendagem.

No momento, somente Robinson Monteiro (foto) e Alexandre Arez estão com novos discos, o primeiro no segmento gospel e o segundo na linha do bolero que sempre seguiu. Rinaldo Viana prepara novo disco. Leila Moreno está na banda do programa Altas Horas e fez recentemente o seriado e o filme Antônia. Kelly Moore canta na noite paulistana. Érika Rodrigues e Liriel Domiciano procuram gravadora. André Leono está sumido. Espero sinceramente que todos se recoloquem, pois têm talento. Considero válidas iniciativas como as de Raul Gil - desde que não ocorram injustiças como no caso citado de Shirley Carvalho, que ganhou mas não levou - e o Ídolos. E acho que a mídia precisa parar com essa nefasta mania de discriminar valores revelados por esses concursos. Afinal, não custa lembrar que grandes nomes da música brasileira começaram em programas de calouros, casos de Elza Soares, Elis Regina e Emílio Santiago, apenas para citar alguns. Talentos existem aos montes. Tomara que todos os bons artistas consigam se projetar e se manter fiéis às suas convicções artísticas...

10 comentários:

Marisa Porto disse...

Excelente seu blog!
Vou ficar freguesa!
:)

Cris Ebecken disse...

A fidelidade ao que se é, à arte de dentro que toca e move, creio ser o que leva ao pertencer e permanecer...

Denilson disse...

Oi, Toninho..

Muito legal o seu blog. Mas eu discordo quanto à Marina Elali ser uma estrela. Ela é muito fraca. Só conseguiu esse espaço todo, porque se casou com um diretor da Globo. Aí você já sabe o que acontece...

Mas é só a minha opinião.

abração,
Denilson

Toninho Spessoto disse...

Denilson,

Claro que respeito seu ponto de vista. Marina Elali ainda tem o que aprender, mas já pode ser considerada uma estrela pela competência e o modo como toca a carreira.
Ela não se casou com um diretor da Globo. Namora um cineasta que começou a trabalhar na Globo depois que iniciaram o relacionamento.
Marina conta com grande apoio do pai, Sami Elali, seu maior incentivador. Foi graças a ele que, entre outras coisas, conseguiu estudar nos Estados Unidos - é formada em Teoria Musical e Composição na Berkeley, em Boston, uma das melhores escolas de música do mundo.

Continue visitando o blog, o espaço é seu!

Grande abraço!

Danny Reis disse...

Toninho, com todo o respeito... Mas eu também não consigo engolir a Marina Elali. Acho-a chata, forçada, pop demais... Ouvi o CD e fiquei chocada... É um pop quase hip-hop! E ela canta o tempo todo sussurrando, estilo "ai, como sou sexy". Hum, sei não. A única faixa que eu gosto é Sabiá.
Mas enfim, gosto é gosto...
Concordo quanto à Roberta Sá, essa para mim a melhor "cria" do Fama.
Beijão!

TONINHO SPESSOTO disse...

Danny querida,

Marina é uma boa cantora e direcionou a carreira para o patamar que quis, ou seja, o universo pop. Os estudos em Berkeley a conduziram a isso.
Concordo que ao disco falta unidade, ela diversificou demais. Não sei o que virá a seguir. Mas dentro do segmento pop ela vai muito bem, encontrou um caminho a seguir. Pelo menos, soa verdadeira com o que sempre ambicionou, é coerente com o que planejou. Isso, por si só, é um mérito.
Quanto à Roberta, é uma das melhores cantoras do Brasil. E não precisava nem ter participado de um reality show para que sua competência fosse percebida. Saiu do Fama como entrou, ou seja, com o caminho já definido.

Beijão!

Gilvandro M disse...

Toninho,
Eu gosto de Marina Elali, embora Roberta Sá jogue mais na minha linha. E, de longe, as duas são muito mais interessantes do que uma pá de cantoras endeusadas pela mídia e que são chaaaatas de doer. Juro que não vou citar a Mônica Salmaso, prometo!! hehehe

Abração!!
Gil

Renata Santos disse...

Pois é... não basta cantar bem.
Essa onda pop que geralmente tem atualmente, parece estar ganhando força.

Esse pop estilo Wanessa Camargo, Sandy e Junior... tô fora!

Rouge e Br'oz foram as piores coisas que aconteceram na música nacional, saído de um programa.

Pessoas que participar dos programas de calouros tem que explorar muitos estilos musicais pra poder se dar bem e encontrar o caminho certo.

Ah, Elis, que saudades!

Fernanda disse...

Ola Toninho,

Achei muito legal sua materia, Parabens!!

Concordo que o Brasil deveria parar de discriminar artistas talentosos somente porque sairam de um concurso da tv.

Gostaria somente de adicionar uma informação ao texto.

A cantora Liriel Domiciano gravou um cd pela gravadora internacional Habanero Music.

Seu novo trabalho Heaven´s Eyes foi todo produzido fora do Brasil e a mesma está retornando para turnê no Pais.

Espero ter ajudado. :)

Atenciosamente
Fernanda

Anônimo disse...

OLÁ QUERIDO,O ROBINSON MONTEIRO ESTÁ MUITO FELIZ ,FOI INDICADO AO GRAMMY LATINO NA CATEGORIA MÚSICA GOSPEL,ALÉM DE TER SI CASADO E ESTÁ CURTINDO SEU PRIMEIRO FILHO.