domingo, 6 de janeiro de 2008

REVOLUÇÃO MINEIRA


MILTON NASCIMENTO
Clube da Esquina 1 e 2 - Edição Especial
EMI


Quando Milton Nascimento e Lô Borges lançaram em 1972 o LP Clube da Esquina, alicerçaram definitivamente as bases de algo que, muito mais que simplesmente um encontro de amigos, se transformaria numa das vertentes de maior beleza da música do Brasil: o som da nova geração das Minas Gerais. O próprio Milton estava ha estrada então há pelo menos seis anos, é fato, mas aquele disco fornecia a mais abrangente das panorâmicas do que se fazia musicalmente nas Alterosas, e cuja beleza ganharia o mundo.


O repertório logo tomaria ares de coletânea, tal a quantidade de canções que fizeram sucesso. Entre elas, Tudo Que Você Podia Ser (Márcio e Lô Borges), Cais (Milton Nascimento/ Ronaldo Bastos), O Trem Azul (com Lô nos vocais, parceria dele e Ronaldo Bastos), Cravo e Canela (Milton/
Ronaldo Bastos), Um Girassol da Cor do Seu Cabelo (Lô nos vocais, parceria dele e Marcio Borges), San Vicente (Milton/Fernando Brant), Clube da Esquina no 2 (Milton, Lô, Márcio Borges), Paisagem da Janela (Lô nos vocais, parceria com Fernando Brant) e Nada Será Como Antes (de Milton e Ronaldo Bastos, com Bituca e Beto Guedes nas vozes), além de Me Deixa Em Paz, samba clássico de Monsueto e Ayrton Amorim, na interpretação iluminada de Alaíde Costa. Os arranjos foram assinados por Eumir Deodato e Wagner Tiso, com regência de Paulo Moura. Entre os músicos estavam Tavito (violão, guitarra), Toninho Horta (baixo, violão), Robertinho Silva (bateria) e Wagner Tiso (piano).


Seis anos depois, em 1978, veio Clube da Esquina 2, álbum duplo creditado somente a Milton Nascimento. A turma crescera, com a chegada de Flavio Venturini e Vermelho (que depois formariam o 14 Bis). O disco trazia mais elementos do sincretismo religioso e também forte latinidad. O time de arranjadores era formado por Francis Hime, Paulo Jobim, Nelson Ângelo, Cesar Camargo Mariano, Toninho Horta, Novelli e Wagner Tiso, além do próprio Milton Nascimento. Entre as canções, Nascente (Flávio Venturini/Murilo Antunes), Paixão e Fé (Tavinho Moura/Fernando Brant), Mistérios (Joyce/Maurício Maestro), Canção Amiga (poema de Carlos Drummond de Andrade musicado por Milton), A Sede do Peixe (Para o Que Não Tem Solução) (Milton/Márcio Borges) e Maria, Maria (Milton/Fernando Brant). O disco teve participações especiais de Elis Regina (em O Que Foi Feito Devera/O Que Foi Feito De Vera, de Milton, Fernando Brant e Márcio Borges) e Chico Buarque (Canción Por La Unidade Latinoamericana, do cubano Pablo Milanés) e marcou a estréia do Boca Livre (em Mistérios).

Os dois discos são relançados em edição especial (caixa com 3 CDs) remixada e remasterizada digitalmente. Os trabalhos foram realizados por João Marcello Bôscoli nos estúdios da Trama, em São Paulo. Tarefa árdua, pois Clube da Esquina havia sido gravado em estéreo, o que impossibilitou remixagem por não existir o multi-pistas original. Já Clube da Esquina 2 foi captado em 24 canais. Todos os registros foram digitalizados, sendo feitas posteriormente a restauração e a masterização. Mantiveram-se as características originais - dinâmica dos instrumentos e vozes. O resultado final é belíssimo, os discos soam ainda mais vivos e envolventes.

2 comentários:

Angel disse...

Imperdível, não?
E, coincidentemente, estou ouvindo demais essas canções nesse começo da ano, não sei, saudade das raízes, da família, das reuniões, dos irmão em casa...

TONINHO SPESSOTO disse...

Angel,

Sempre é tempo de ouvir essas canções, não?

Beijos, Saudades...